Vacinas pediátricas

O sistema imunitário do recém-nascido é ainda imaturo e inexperiente. Nos primeiros 3 meses de vida, os anticorpos da mãe, passados para o filho através da placenta, fornecem alguma protecção, embora não contra todas as doenças. Dos 3 meses até cerca dos dois anos de vida, altura em que o seu sistema imunitário já é suficientemente maduro, a criança continua a estar particularmente susceptível às infecções.

Estudos recentes comprovam que o sistema imunitário, desde o nascimento, é capaz de responder a inúmeros estímulos antigénicos, quer das vacinas quer dos agentes infecciosos, e portanto, embora a criança faça bastantes vacinas no seu primeiro ano de vida, não há que recear que todos esses estímulos vão sobrecarregar o seu sistema imunitário. Uma semana no infantário, a que algumas mães chamam o “infectário”, proporciona mais estímulos do que todas as vacinas que ela irá fazer ao longo da sua vida.

Por isso é fundamental vacinar as crianças precocemente, para evitar doenças graves como a tosse convulsa ou certas meningites, mais frequentes nos primeiros meses de vida, que podem causar lesões permanentes ou até fatais.

O Programa de Vacinação Nacional (PNV) permite que, aos 6 meses de idade, a criança já tenha a protecção básica para oito doenças (formas graves de tuberculose, difteria, tétano, tosse convulsa, hepatite B, poliomielite e meningites e septicémias por meningococos C e por hemófilos).

Há ainda, fora do PNV, vacinas contra rotavírus (agente de diarreia) e contra pneumococos (agente de meningites, septicemias e pneumonias), que também são administradas antes dos 6 meses. Espera-se que a vacina contra o pneumococo venha brevemente a fazer parte do PNV.

Aos 15 meses a criança fará a vacina contra sarampo, papeira e rubéola.

Algumas destas doenças estão eliminadas em Portugal, devido às vacinas, mas é bom não esquecer que hoje em dia estamos à distância de poucas horas de avião de países onde essas doenças existem, e se não mantivermos uma taxa de vacinação elevada corremos o risco de as ver reaparecer.

Mais recentemente entrou no PNV a vacina contra o vírus do papiloma humano (HPV), agente responsável por cancro do colo do útero, que é administrada aos 13 anos, ainda dentro da idade pediátrica, embora vá proteger contra uma doença que só se manifesta já na idade adulta.

Vacina (sigla) Doença(s) evitada(s) Tipo de vacina Nº de doses (esquema de vacinação) Idade para a vacinação Efeitos secundários esperados Via de administração
Bacilo Calmette- Guérin(BCG) Tuberculose Bacilo vivo atenuado Dose única Recém-nascido excepto casos especiais Reacções no local da injecção, pequeno nódulo vermelho que gradualmente se transforma numa vesícula. O processo de cicatrização que demora vários meses deixa uma cicatriz de cerca de 5 mm de diâmetro. Aumento dos gânglios cervicais ou axilares. Injectável
Vacina contra o rotavírus Gastroenterite pediátrica a rotavírus Vírus vivo atenuado 2 ou 3 doses, consoante a vacina Das 6 semanas de vida aos 6 meses Febre, vómitos e diarreia, normalmente pouco intensos Oral
Vacina combinada contra a difteria, tétano, tosse convulsa (acelular) Difteria
Tétano
Tosse convulsa
Doença invasiva por Haemophilus influenzaetipo b
Poliomielite
Inactivada De acordo com o PNV em vigor, são administradas 3 doses aos 2, 4 e 6 meses de vida Reacções no local da injecção, febre, sonolência, vómitos, diarreia, perda de apetite, irritabilidade Injectável
Vacina combinada contra a difteria, tétano, tosse convulsa (acelular) eHaemophilus influenzae tipo b (DTPaHib) Difteria
Tétano
Tosse convulsa
Doença invasiva por Haemophilus influenzae tipo b
Inactivada De acordo com o PNV em vigor, 1 dose aos 18 meses Reacções no local da injecção, febre, sonolência, vómitos, diarreia, perda de apetite, irritabilidade Injectável
Vacina combinada contra a difteria, tétano, tosse convulsa (acelular) e poliomielite inactivada (DTPaVIP) Difteria
Tétano
Tosse convulsa
Poliomielite
Inactivada De acordo com o PNV em vigor, 1 dose aos 5-6 anos Reacções no local da injecção, febre, sonolência, vómitos, diarreia, perda de apetite, irritabilidade Injectável
Vacina contra o sarampo, papeira e rubéola (VASPR) Sarampo
Papeira
Rubéola
Vírus vivo atenuado 2 doses De acordo com o PNV aos 15 meses e aos 5-6 anos Febre e reacções locais que poderão surgir até 15 dias após a vacinação Injectável

Dra. Paula Valente
Unidade de Infecciologia Pediátrica, Hospital de Santa Maria, Lisboa