Contra-indicações

As vacinas disponíveis, através do Programa Nacional de Vacinação ou por prescrição médica, são globalmente seguras, com raras excepções que podem limitar a sua utilização.

As verdadeiras contra-indicações são:

  • Reacção alérgica grave a uma dose anterior da vacina ou a algum dos seus constituintes. O exemplo mais conhecido é o da vacina contra a gripe em pessoas com alergia grave ao ovo.
  • Imunodeficiência grave, apenas para as vacinas vivas (BCG, sarampo, rubéola, papeira, varicela, rotavírus).
  • Gravidez, apenas para as vacinas vivas.
  • No caso da vacina da tosse convulsa, se surgiu encefalopatia nos 7 dias seguintes a toma anterior, sem outro motivo conhecido.

Na criança com doença aguda grave, é sensato protelar a vacinação para logo que haja melhoria clínica. Se tiver havido reacção alérgica não grave a uma vacina, deve ser considerada a administração de nova dose da mesma vacina em meio hospitalar.

É importante saber que não são contra-indicações as seguintes:

  • Ter tido em vacinação anterior febre, dor / tumefacção no local da injecção, irritabilidade, sonolência, convulsão febril simples (na criança entre os 6 meses e 5 anos), vómitos, diarreia ou dor nos membros.
  • Estar com doença aguda ligeira (ex: “constipação” ou diarreia), com ou sem febre.
  • Estar a tomar medicamentos (desde que estes não tenham acção supressora da imunidade).
  • Ter doença crónica (de pele, coração, pulmão, rim, fígado ou doença neurológica não evolutiva).
  • Ter familiar com reacção grave à mesma vacina

E várias outras falsas ideias que por vezes surgem. Na dúvida, questione o seu médico assistente ou o centro de vacinação, mas não se responsabilize por atrasar a administração da melhor arma que temos para combater as infecções – as vacinas.

Dr. José Gonçalo Marques
Assistente Graduado de Pediatria, Unidade de Infecciologia
Departamento da Criança e da Família, Hospital de Santa Maria, CHLN