Encefalite da carraça

A encefalite transmitida por carraça (ETC) é a arbovirose mais importante que afecta o Homem na Europa. É frequente na Europa central, antiga União Soviética e Ásia, estimando-se cerca de 3000 novos casos por ano na Europa. É provocada pela infecção pelo vírus TBE (Tick-borne encephalitis), membro da família Flaviviridae, transmitida ao Homem, na maioria das vezes, pela picada da carraça (ixodídeo) infectada.

A apresentação clínica é variável, sendo geralmente bifásica. Na primeira fase surge um quadro febril inespecífico, com cansaço, dor muscular, cefaleias, náuseas e vómitos associado a leucopenia, trombocitopenia e aumento das transaminases. Na segunda fase, presente em 20 a 30% dos casos, as alterações neurológicas alternam entre meningite (febre, cefaleias, rigidez da nuca) e encefalite, com ou sem paralisia medular. O diagnóstico é feito pela detecção de Imunoglobulina M específica no LCR ou sangue.

As sequelas permanentes podem ser observadas em 35-58% dos doentes com envolvimento neurológico, sobretudo em adultos, e a mortalidade atinge 1 a 2%.

Não há tratamento específico. Há uma vacina inactivada disponível e eficaz. Nas áreas de risco, zonas onde a ETC é endémica, é aconselhável a vacinação de residentes expostos a carraças, viajantes e indivíduos em risco de exposição ocupacional.

Dra. Catarina Gouveia
Unidade de Infecciologia Pediátrica, Hospital Dona Estefânia, Lisboa
Sociedade Portuguesa de Pediatria